(42) 3035 - 8005

juridico@carminattidangui.com

Conteúdos

Defenda sua empresa em processo de execução fiscal

Defenda sua empresa em processo de execução fiscal

Quando um empresário inicia suas atividades comerciais já sabe que deve se atentar a diversas burocracias e responsabilidades. Uma delas é o pagamento de certos impostos. 

Porém, caso esse pagamento não seja realizado, surge a dívida ativa. Ela, por sua vez, também pode se originar a partir de multas, indenizações a serem pagas ao Estado e contratos públicos descumpridos, por exemplo. 

Em seguida, a inscrição na dívida ativa pode levar a um processo de execução fiscal. Se você possui uma empresa, portanto, ter conhecimento acerca desses procedimentos é a melhor maneira de evitar tal resultado.  

Entretanto, caso o seu negócio já se encontre nesse cenário, não se preocupe, entenda logo abaixo como defender sua empresa em processo de execução fiscal! 

O que é e como funciona um processo de execução fiscal? 

Antes de mais nada, vamos compreender melhor do que se trata esse procedimento! 

A via do Judiciário, aqui, é utilizada para obrigar o devedor a cumprir sua parte da obrigação, que é o pagamento de tributos, multas, taxas, indenizações, dentre outros. Ela é a última etapa depois de cobranças administrativas.  

Quando há a certidão de dívida ativa (CDA), o Ente Público (seja a União, o estado ou a cidade) se encontra em posse de um título executivo. Isso significa que há um documento oficial que ateste que o débito é real. 

Para ilustrar melhor, um outro exemplo de título executivo, também, é o cheque. Sabemos que ao tê-lo em mãos basta levá-lo ao banco para sacar o dinheiro, certo? 

Essa mesma certeza do débito também existe na inscrição em dívida ativa. Por isso, o processo não irá discutir o mérito do caso, ou seja, a regra é que há a presunção de direito do credor. Apenas em algumas exceções específicas que serão admitidas contra argumentações do devedor. 

Recebi uma intimação de um processo de execução fiscal, o que devo fazer? 

Um dos primeiros passos da maioria dos processos judiciais é o recebimento de uma intimação ou citação. No caso da execução fiscal ela marca o início do prazo de 5 (cinco) dias para pagamento da dívida. 

Apesar de gerar um grande susto em qualquer pessoa, a solução é simples. A atuação do advogado irá garantir que seus direitos sejam resguardados. Por esse motivo, a melhor atitude é acionar uma boa defesa legal que entenda sobre o procedimento da execução fiscal

O profissional indicado poderá analisar detalhes da cobrança como data, nome e outras circunstâncias especiais que permitam as exceções de defesa. 

Outra medida que já auxiliará o trabalho do advogado será o recolhimento de documentos pertinentes. Dados sobre a empresa e sobre a quantia disputada, com comprovações do que pretende alegar, serão de extrema ajuda. 

Quais são as possibilidades de defesa em uma execução fiscal? 

De início é sempre importante conferir a veracidade dos dados da CDA. O nome está correto? Dados como endereço, no caso do IPTU ou do número do CNPJ para IRPJ, por exemplo, são imprescindíveis.  

Assim, quando a cobrança for direcionada à empresa errada, acerca de um imóvel diverso ou sobre uma matéria desconhecida, basta esclarecer o correto com uma exceção de pré-executividade. O nome parece difícil, mas apenas significa que é possível apresentar ao juízo os documentos que atestem os dados verdadeiros para que a situação seja resolvida.  

Esse tipo de defesa deverá ocorrer dentro do mesmo prazo de pagamento da dívida, que é de 5 (cinco) dias após a citação. Além disso, não poderá depender de uma longa dilação de provas. Isto é, o erro deverá ser facilmente comprovado por meio de documento. Dessa maneira, caso a dívida já esteja paga, por exemplo, basta apresentar o comprovante de pagamento. 

Porém, caso a tese de defesa seja mais complexa, utilizam-se os embargos de execução. Para tanto, então, é necessário que o devedor garanta o juízo. Assim, ele deverá pagar o débito cobrado ou, por exemplo, nomear algum bem à penhora ou oferecer fiança bancária. 

Quais são as fases e consequências do processo de execução fiscal? 

Após a intimação do credor, é possibilitada a sua defesa a partir dos instrumentos citados. Então, as evidências e os argumentos defendidos serão avaliados pelo juízo em decisão judicial. Ainda há, em seguida, a possibilidade de recurso pelas partes. É por esse motivo, portanto, que uma defesa diligente se faz tão crucial. 

Seguindo os procedimentos padrões de uma execução fiscal, caso não ocorra nem o pagamento do débito e nem a defesa do devedor, o juízo poderá realizar a comunicação de penhora, inclusive na modalidade de penhora online. 

Dessa maneira, os valores referentes ao débito serão garantidos por meio de bens que o credor tenha posse, seguindo a seguinte ordem de prioridade: Dinheiro; Título de dívida pública ou de crédito; Pedras e metais preciosos; Imóveis; Navios e aeronaves; Veículos; Móveis e, por fim, Direitos e ações.  

O arresto é como uma “pré-penhora”, entretanto, ele não é exigido em uma execução fiscal, ao contrário do restante de outras execuções. 

Logo, estando o bem penhorado e, ainda assim, não havendo o devido pagamento da dívida ou defesa do credor é que irá ocorrer um leilão. Por meio desse procedimento, o Poder Judiciário converte o imóvel em quantia real em dinheiro, a fim de destiná-lo ao credor e quitar a dívida. 

Conclusão 

Em suma, ainda que o grau de defesa dentro de uma execução fiscal seja mais limitado do que em outros tipos de processos judiciais, há muito o que pode ser feito. Exatamente por isso e, também, por se tratar de um procedimento especial, é que a atuação de um advogado se torna necessária. 

É sempre importante que uma empresa adote uma postura de advocacia preventiva. Dessa maneira, o profissional irá preparar as atividades empresariais, de forma a evitar a execução fiscal, dentre outras disputas legais e extrajudiciais. 

Ainda assim, a possibilidade de execução fiscal existe. Então, é possível contar com uma boa defesa não apenas para contestar dados simples da CDA, como, também, para coordenar possibilidades de recurso, penhora e leilão, por exemplo. Levando em consideração as consequências práticas que esse procedimento pode ter sobre a empresa, uma atuação diligente é imprescindível. 

Ainda ficou com alguma dúvida?

Comente abaixo, estaremos à disposição para orientá-lo e seguiremos compartilhando informações importantes.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Últimos Posts

Categorias

Quer receber conteúdo exclusivo no seu e-mail?

Preencha os campos e receba nossas atualizações no seu e-mail.

    Contato

    (42) 3035 - 8005

    juridico@carminattidangui.com

    Endereço Guarapuava

    R. Frei Caneca, 1655 – Trianon Guarapuava – PR. CEP: 85012-000

    Endereço Curitiba

    Av. Candido de Abreu, 660, CJ 703. – Edifício Palladion – Centro Cívico Curitiba/PR –
    CEP: 80.530-000